Hypera tem alta de 29% no lucro do 3º tri com redução de custos

Forbes/Reprodução
Forbes/Reprodução

A farmacêutica Hypera registrou resultado de R$ 345,6 milhões no período

A Hypera teve aumento no lucro do terceiro trimestre, uma vez que o forte controle de despesas empregado pela fabricante de fármacos compensou os efeitos da vendas menores em algumas categorias devido aos efeitos da pandemia da Covid-19.

A companhia anunciou hoje (23) que seu lucro de julho a setembro somou R$ 345,6 milhões, alta de 29,4% sobre mesma etapa de 2019.

LEIA MAIS: CTC, de biotecnologia de cana, pede registro para IPO

O resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) das operações continuadas subiu 32,2%, a R$ 393,5 milhões.

“Esse crescimento é consequência principalmente da disciplina na gestão de custos e despesas com o objetivo de reduzir os impactos negativos de curto prazo da pandemia de Covid-19”, afirmou a Hypera no relatório.

Além disso, a receita teve incremento, já que os produtos Buscopan e Buscofem passaram a contribuir para o resultado da companhia em setembro.

A farmacêutica também afirmou que genéricos em produtos de prescrição e nas categorias de vitaminas, suplementos e nutricionais mostraram recuperação em relação ao trimestre anterior, refletindo a gradual flexibilização das medidas de isolamento social.

Mas algumas categorias relevantes para a companhia, como produtos antigripais, de pediatria, de tratamento respiratório e de ortopedia, seguiram impactadas pelas menores consultas médicas, diante do receio gerado pela Covid-19 na população.

LEIA TAMBÉM: Balanços financeiros: veja como foi a semana de resultados no Brasil e no exterior

De todo modo, a receita líquida da Hypera subiu 7,9% ano a ano, para R$ 1,09 bilhão.

A Hypera passou de caixa líquido de R$ 369,8 milhões no fim de junho para endividamento líquido de R$ 637,3 milhões no fim de setembro, após o pagamento de R$ 1,3 bilhão pela compra das marcas Buscopan. A companhia emitiu R$ 735 milhões em debêntures para pagar o portfólio de medicamentos adquirido da Takeda. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).