Ibovespa reage e recupera parte das perdas após primeiro dia de conflito na Ucrânia

Guerra colocou mercados de todo o mundo em alerta, mas Brasil e EUA tiveram melhora após anúncio de sanções à Rússia.

Amanda Péchy
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou hoje (24) em baixa de 0,37%, a 111.437 pontos, reagindo à incerteza e à volatilidade geradas pela invasão da Ucrânia pela Rússia, que impulsionou um movimento global de aversão ao risco.

O principal índice da B3 acompanhou os mercados internacionais e operou em queda durante todo o pregão, mas esboçou reação no fim da tarde e fechou longe das mínimas do dia.

O conflito fez com que o preço das commodities subisse, levando algumas empresas a se descolarem do índice e registrarem alta.

A Petrobras (PETR3, PETR4) e a PetroRio (PRIO3) chegaram a figurar entre as maiores altas do dia, que viu o petróleo Brent ultrapassar a marca de US$ 100 pela primeira vez desde 2014.

No entanto, depois que o preço do barril se estabilizou e o CEO da estatal, Joaquim Luna e Silva, afirmou que estava avaliando o impacto da invasão à Ucrânia para ajustar os preços, os papéis da blue chip passaram a cair e fecharam em queda de 1,82% e 2,43%, respectivamente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Minerva Foods (BEEF3) foi um dos destaques positivos. As ações fecharam em alta de 7,04% após a companhia informar lucro de R$ 150,3 milhões no quarto trimestre de 2021. O valor representa alta de 31,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) alcançou R$ 735,3 milhões, o maior resultado trimestral já registrado pela empresa.

No cenário corporativo, a Rede D’Or (RDOR3) informou que concluiu as negociações para adquirir a SulAmérica (SULA11). A notícia impulsionou as ações da seguradora, que mesmo após reportar prejuízo de R$ 31,2 milhões no 4º trimestre de 2021, foi o maior destaque positivo do pregão, fechando com alta de 15,64%.

Os papéis da Rede D’Or, por sua vez, não responderam da mesma forma. A empresa teve queda de 7,59% e ficou entre as maiores baixas da sessão. Investidores não receberam bem os termos do acordo que prevêem a distribuição de 13,5% das ações da empresa para os acionistas da SulAmérica, já que a seguradora deixará de ser listada na Bolsa de Valores.

Em Wall Street, os principais índices fecharam em alta após uma sessão marcada por muita volatilidade.

As bolsas dos EUA se recuperaram depois que o presidente Joe Biden anunciou duras sanções contra Moscou. Haverá restrições envolvendo transações do governo russo em moedas estrangeiras, barreiras para o acesso russo a novas tecnologias e medidas contra os maiores bancos do país.

O Dow Jones fechou em alta de 0,28% a 33.223 pontos; o S&P 500 ganhou 1,5%, a 4.288 pontos; e o Nasdaq avançou 3,34%, a 13.473 pontos.

Na agenda de indicadores, o número de pessoas que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu um pouco mais do que o esperado na semana passada, em 17 mil, informou o Departamento do Trabalho hoje (24). O dado indica que a recuperação do mercado de trabalho está ganhando força.

O ouro, títulos do Tesouro dos EUA e o dólar cresceram com o aumento da procura por ativos seguros. Ativos de risco, como o bitcoin, tiveram queda – a criptomoeda registrava queda de 7,9%  por volta das 10h de Brasília, seu menor nível em um mês.

Já o dólar registrou o maior aumento percentual diário em mais de cinco meses. A turbulência arrefeceu no decorrer da tarde, o que permitiu que a moeda encerrasse o pregão em alta de 2,02%, a R$ 5,1047. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: