Real tem melhor desempenho do mundo em sessão de retomada de apetite global por risco

O real terminou a semana com o segundo melhor desempenho em uma lista que conta ainda com as moedas de Chile, México, África do Sul, Turquia, Peru e Colômbia.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

O dólar fechou em forte queda hoje (13) e o real teve o melhor desempenho

Acessibilidade


O dólar fechou em forte queda hoje (13) e tomou distância dos R$ 5,10, conforme investidores realizaram lucros ao fim de uma semana de grande instabilidade nos mercados globais. A moeda brasileira teve o melhor desempenho do mundo nesta sessão.

O declínio do dólar foi tamanho que não apenas zerou seus ganhos semanais como levou a cotação a acumular leve baixa no período, que, assim, encerra uma sequência de três semanas de valorização.

O dólar à vista caiu 1,65% nesta sexta, a R$ 5,05, após variar entre R$ 5,15 (+0,15%) e R$ 5,04 (-1,87%). O patamar de fechamento é o menor desde o último dia 5 (R$ 5,01).

Na semana, o dólar acabou caindo 0,31% — até a quinta-feira (11) tinha alta de 1,36%. Em maio, reduziu os ganhos para 2,31% e ainda recua 9,25% no acumulado do ano.

Dados da B3 mostram que, no mês, fundos locais e investidores estrangeiros têm atuado na ponta compradora de dólar, enquanto empresas financeiras (como bancos) fazem a contraparte.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O mercado realizou bem hoje, foi uma realização de lucros com as notícias de reabertura parcial na China (dos lockdowns contra a Covid-19) e as falas do Powell”, disse Fabrizio Velloni, economista-chefe da Frente Corretora. “Ainda vejo a taxa de R$ 5,20 como um ponto mais central, que atrai o dólar. Não dá para pôr a mão no fogo por causa da melhora de hoje”, ponderou.

O mercado girou ao longo da semana em torno dos riscos de aperto mais forte da política monetária dos EUA e também dos efeitos sobre cadeias de produção decorrentes de novos fechamentos de negócios na segunda maior economia do mundo para conter surtos de coronavírus.

A inflação global em alta — nos EUA a maior em 40 anos e na zona do euro em patamar recorde– é muito associada a impactos oriundos ainda da quebra nas cadeias de suprimento causadas pelos bloqueios nas economias globais iniciados em 2020 para conter a pandemia.

Rumores de que a China, em meio a dados fracos, poderia flexibilizar a política monetária também contribuíram para a correção nos preços de ativos de risco no mundo, movimento que se espraiou para o mercado doméstico de câmbio. A isso somaram-se falas do chair do Fed, Jerome Powell, reiterando altas de 0,50 ponto percentual nos juros –sinalizando, portanto, que o ritmo de restrição monetária não será intensificado, como temem operadores.

Mais uma vez um rali em Wall Street — o índice Nasdaq saltou 3,8% — ajudou a melhorar o humor do mercado no Brasil. Uma medida do “medo” do investidor norte-americano despencou mais de 8% em dia de forte queda do dólar por aqui.

Num indicativo de quão juntos têm andado os preços do dólar e o clima no mercado de ações em Nova York, a correlação de um mês entre a taxa de câmbio dólar/real e o índice de volatilidade VIX alcançou o maior patamar desde julho de 2016, de 0,82. O número é positivo uma vez que, se o VIX sobe, o dólar tende a se elevar também. Quanto mais próximo de +1, mais positivamente correlatos são os preços de dois ativos.

O real terminou a semana com o segundo melhor desempenho em uma lista que conta ainda com as moedas de Chile, México, África do Sul, Turquia, Peru e Colômbia. O sol peruano liderou os ganhos ao subir 0,8%, enquanto a lira turca ficou na outra ponta com queda superior a 3%.

Forbes abre inscrições para lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: