22 cidades dos EUA em que mulheres ganham mais que os homens

Nestas 22 cidades, as mulheres com menos de 30 anos ganham mais do que os homens – ou pelo menos atingem o salário deles.

Jena McGregor
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Em 22 das 250 áreas metropolitanas dos EUA, as mulheres jovens ganham entre 100% e 120% do que seus colegas homens ganham

Acessibilidade


A disparidade salarial entre homens e mulheres ainda é grande nos EUA, como as recentes manchetes de “dia de pagamento igual” lembraram a todos. Mas em um pequeno porém crescente número de áreas metropolitanas – incluindo Nova York, Los Angeles e Washington, D.C. – o salário médio das mulheres jovens atingiu a igualdade quando comparado com seus pares do sexo masculino e, em alguns casos, até supera o que os homens jovens estão ganhando.

Uma nova análise do Pew Research Center dos dados do Census Bureau revelou que, nos EUA, a mulher média com menos de 30 anos que trabalha em período integral ganha 93% do que seus colegas homens ganham. No entanto, em 22 das 250 áreas metropolitanas dos EUA, as mulheres jovens agora ganham entre 100% e 120% do que seus colegas homens ganham – um sinal pequeno, mas positivo, de que a disparidade salarial entre homens e mulheres está diminuindo lentamente. Isso é provavelmente o resultado, dizem os especialistas, de uma combinação de fatores – desde ganhos no ensino superior e mais auditorias de pagamento do empregador até o aumento das leis de equidade salarial e mais demandas de trabalhadores mais jovens.

Vinte e duas cidades podem não parecer muito, diz o pesquisador sênior do Pew, Richard Fry, “exceto que essas 22 cidades incluem Nova York, Los Angeles e Washington, D.C. E se olharmos para onde as mulheres jovens vivem, essas cidades realmente incluem 16% da força de trabalho das mulheres jovens”. Essa porcentagem é três vezes maior que os 5% regustrados em apenas seis áreas metropolitanas onde as mulheres tinham salários iguais ou superiores em 2000.

Em Naples, na Flórida, por exemplo, as mulheres jovens recebem, em média, 108% em relaçãoaos homens, enquanto em San Diego é 105%. Em Nova York e Washington, D.C.,102%, e em Los Angeles é igual, ou 100%, mostra a análise do Pew.

O relatório é baseado em dados de 2015-2019 da American Community Survey, a maior pesquisa domiciliar nos EUA, também descobriu que a diferença salarial diminuiu para mulheres jovens nas últimas duas décadas, de 88% em 2000 para 93% hoje.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Fry reconhece que olhar para o salário de mulheres jovens permite descobertas que desaparecem quando se compara o salário de mulheres mais velhas, que muitas vezes enfrentam penalidades depois de tirar uma folga para cuidar da família ou entre as quais geralmente há lacunas maiores em cargos de gestão. Se em 2000, as mulheres de 16 a 29 anos ganhavam 88 centavos de dólar, diz Fry, o grupo de mulheres de 35 a 48 anos, quase 20 anos depois, representa apenas 80% dos homens. Isso faz parte da “lacuna familiar”, diz Fry.

A diferença salarial mediana, é claro, reflete as comparações gerais de remuneração entre ocupação e empregadores, o que pode explicar parte da diferença. Um número menor de mulheres ainda pode optar por seguir carreiras de tecnologia com altos salários, como engenharia da computação ou outras profissões com longas horas de trabalho, como banco de investimento, pois antecipam futuras obrigações familiares, diz Fry.

LEIA TAMBÉM: Empresas com CEOs mulheres pagam menos para outras líderes

As diferenças regionais nas oportunidades de emprego também podem desempenhar um papel nas diferenças: Fry observa que a cidade com a maior diferença de gênero, Elkhart-Goshen, Indiana, onde as mulheres jovens ganham apenas 67% em relaçãoaos homens, é conhecida como a “Capital of RV of the World” e tem mais empregos na indústria que são predominantemente ocupados por homens. (Fry não sabe ao certo por que as mulheres jovens em Wenatchee, Washington, conhecida como a “capital mundial da maçã”, fazem ganham 120% em relação aos homens. Mas ele observa que outras cidades perto do topo da lista, como Morgantown, West Virginia e Gainesville, Flórida, podem refletir as cidades universitárias com mais empregos relacionados ao ensino superior.)

Mas o que explica por que a paridade aumentou – ou até se tornou desequilibrada em favor das mulheres jovens – ao longo do tempo em algumas cidades? Os níveis de educação podem estar conectados, diz Fry, observando que há uma correlação entre as áreas metropolitanas onde a diferença salarial é menor e aquelas onde as mulheres jovens estão superando os homens em termos de diplomas universitários.

No entanto, os especialistas em pagamento também apontam para outros fatores. Christine Hendrickson, vice-presidente de iniciativas estratégicas da Syndio, que paga auditorias patrimoniais para grandes corporações, diz que uma mudança geracional pode estar em jogo e que os empregadores estão respondendo.

“A Geração Z fala”, diz ela, referindo-se aos jovens trabalhadores. “Eles conversam entre si sobre o pagamento. Eles criam listas. Eles contribuem para o Glassdoor. Eles falam sobre isso no Slack.” Combine isso com mais restrições por meio de leis de transparência salarial em nível estadual, mais ferramentas que vão desde planilhas geradas por trabalhadores a sites como Glassdoor para aprender sobre níveis salariais e mais empresas fazendo auditorias de equidade salarial, e não é surpreendente que essas tendências estejam surtindo efeito. diz Hendrickson.

“É realmente uma diferença gritante” de apenas alguns anos atrás, na forma como os empregadores pensavam sobre a igualdade salarial e os trabalhadores falavam sobre isso, diz ela.

Cadran Cowansage, cofundadora da Elpha, uma rede de carreira online voltada para mulheres em tecnologia que compilou um banco de dados de salários com informações de membros, diz que notou como as mulheres mais velhas estão “falando sobre como culturalmente as coisas estão mudando”. Quando eram mais jovens, diz ela, as discussões sobre pagamento “pareciam totalmente um tabu”. As mulheres em estágios mais avançados de suas carreiras “ainda estão se sentindo confortáveis ​​com a situação atual – o outro lado é que as pessoas que estão entrando no mercado de trabalho agora se sentem mais à vontade para falar sobre remuneração”.

VEJA TAMBÉM: Forbes abre inscrições para lista Under 30 2022

Uma nova pesquisa com os membros da Elpha descobriu que as mulheres com menos de 30 anos são um pouco mais propensas a dizer que valorizariam uma política de transparência salarial de seu empregador, além de discutirem salário com colegas de trabalho. “Novos e recém-formados estão entrando no mercado de trabalho muito mais bem informados sobre as disparidades salariais de gênero e a conversa sobre transparência salarial é muito mais sofisticada hoje do que há alguns anos”, diz Cowansage.

Ainda assim, a pesquisa da Elpha também mostra que as mulheres iniciantes são menos propensas a dizer que negociaram seu salário do que as mulheres com até um ano de experiência, uma questão que preocupa os defensores da igualdade salarial. Gloria Blackwell, CEO da Associação Americana de Mulheres Universitárias (AAUW), que há muito examina as discrepâncias salariais para as mulheres mesmo nos estágios iniciais de suas carreiras, diz que a negociação salarial e a igualdade salarial no início da vida profissional das mulheres são particularmente críticas.

“Isso realmente prepara o cenário para a perda ao longo de sua carreira quando as mulheres não negociam, suas negociações não são aceitas ou recebem um salário menor”, ​​diz ela. “Isso aumenta ao longo de sua carreira”, observando que pesquisas mostram que, em média, as mulheres podem perder cerca de US $ 400.000 se tiverem um salário inicial mais baixo.

“É imperativo que as mulheres recebam os salários que merecem desde o primeiro dia”, diz Blackwell. “Isso tem um impacto tremendo.”

Compartilhe esta publicação: