4 cenários das tecnologias do futuro mapeados pela Singularity

Computação quântica e inteligência artificial aparecem como elementos centrais no avanço da economia nos próximos anos.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

As vendas de passagens para o espaço, iniciadas pela Virgin no início desta semana, marcam uma fase importante da corrida espacial privada

Acessibilidade


A SingularityU Brazil lança, nesta semana, a segunda edição do Xtech Views, relatório anual de tendências que mapeia cenários futuros considerando também o Brasil. Os critérios do estudo se baseiam em desbravar conceitos e tecnologias com potencial para reinventar modelos de negócios escaláveis.

As análises abordam temas como Economia Exponencial, Inteligência Artificial, Computação Quântica, Metaverso, Saúde Mental e Sustentabilidade, divididas em quatro grupos: “A economia do metaverso e o futuro da economia real”, “Inteligência artificial e computação quântica”, “O novo mapa do futuro, entre o físico e o digital” e “Neurociência e o avanço da humanidade”.

LEIA TAMBÉM: Cavallini, da Singularity: “fala-se de metaverso sem resolver o básico”

Como o metaverso pode ser útil para a economia?

“O impacto do Metaverso vai muito além dele próprio. E é a partir desse entendimento que muito do que conhecemos sobre economia pode mudar”, explica Eduardo Ibrahim, autor do livro Economia Exponencial. De acordo com Ibrahim, o foco do Facebook, agora Meta, desde o ano passado, lançou luz sobre um novo ecossistema socioeconômico e tecnológico que começa a despontar. “O aperfeiçoamento e o alcance massivo do Metaverso ainda vão demorar alguns anos. Os investimentos para desenvolver essas tecnologias são altíssimos, estima-se que cheguem a US$1 trilhão”, explica.

Getty Images
Getty Images

IBM e a própria Meta já trabalham em projetos de computação quântica

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Inteligência artificial e computação quântica

Alexandre Nascimento, expert da SingularityU Brazil, lembra que o ano de 2021 foi marcado por diversas inovações e progressos no campo da Inteligência Artificial (IA). “No ano passado, as empresas de IA tiveram um recorde histórico de investimento, mostrando que as apostas no potencial do conceito estão sendo reforçadas”, destaca. Ainda segundo Nascimento, em 2022, veremos aplicações mais sofisticadas de modelos de linguagem e computação quântica, bem como os supercomputadores, que serão fundamentais para potencializar esse alcance.

LEIA TAMBÉM: Ações da Virgin Galactic disparam após empresa anunciar venda de passagens para o espaço

Exploração espacial, o próximo passo

Nesta semana, a Virgin Galactic, do bilionário Richard Branson, iniciou as vendas de passagens para viagens espaciais, um passo importante na corrida aeroespacial privada. Peter Cabral, expert em tecnológica da Singularity, pontua que o maior e mais rico dos Global Commons, termo que remete a domínios de propriedade internacional, é o espaço. “Tudo o que envolve exploração do espaço requer forte investimento em pesquisas e desenvolvimento de tecnologias. Houve grandes avanços recentes e isso deve crescer imensamente nos próximos anos.”

Neurociência muito além de Elon Musk

Os investimentos de Elon Musk na empresa Neurolink apontam para o potencial da neurociência. Leandro Mattos, expert em neurociência da SingularityU Brazil, explica que essa corrida tem o potencial de expandir a forma como as pessoas interagem. “Musk, inclusive, afirmou, em uma de suas entrevistas que a Neuralink oferecerá uma solução superior e com melhor usabilidade ao Metaverso de Mark Zuckerberg. Além disso, no marketing, as neurociências estarão ainda mais presentes, tanto nos Pontos de Experiências (PDX), como nas chamadas Next Tech (IA, processamento de linguagem natural, robótica, realidade mista, internet das coisas, blockchain e sensores). Tecnologias como reconhecimento de expressões faciais relacionadas às emoções, rastreamento ocular, análise de atividade cardíaca, atividade eletrodérmica e eletroencefalografia que possam identificar sinais de compra e satisfação também são protagonistas.”

Compartilhe esta publicação: