Salted Beer é a nova tendência dos coquetéis

ReproduçãoForbes
O uso do sal na cerveja remonta a centenas de anos, diretamente às suas raízes germânicas

Resumo:

  • O sal tem a capacidade de diminuir a amargura e dar ao paladar uma experiência mais saborosa;
  • O Just a Pinch, lançamento da Rogue Ales, é exemplo dessa nova tendência de cerveja salgada;
  • Bliss Dake fala sobre a nova bebida e os desafios enfrentados para produzi-la.

Depois de ser usado, por muitos anos, apenas para decorar bordas de margaritas, o sal agora é o novo queridinho de mixologistas, barmans e outros profissionais do coquetel, que lançam mão do ingrediente para aprimorar o sabor de bebidas mistas. Nas cervejas, sobretudo, ele tem a capacidade de diminuir a amargura e enriquecer o paladar.

O uso do sal na cerveja remonta a centenas de anos, diretamente às suas raízes germânicas. A prática, que ressurgiu algumas vezes ao longo do tempo, retorna agora com um toque mais interessante. Exemplo disso é o Just a Pinch, lançamento da Rogue Ales, de Newport, que contém o suficiente para destacar todos os sabores dessa rediviva tendência.

A Forbes falou com Bliss Dake, vice-presidente de marketing da Rogue Ales, sobre a nova bebida e os desafios enfrentados para produzi-la.

Forbes: Como surgiu a ideia do Just a Pinch?

Bliss Dake: Nossa cervejaria principal fica no Oceano Pacífico. Somos criadores, buscamos sempre maneiras de inovar, e queríamos incorporar esse espírito ao nosso produto. O resultado foi uma cerveja meio azeda e meio salgada, excepcionalmente refrescante.

F: Por que combinar sal com uma cerveja mais leve (session beer)?

VEJA MAIS: As novas tendências em cerveja para ficar de olho

BD: O azedo e o salgado se misturam para melhorar o sabor geral da cerveja. O acabamento salgado eleva a acidez e o lúpulo cítrico da bebida.

F: Como vocês obtêm o sal?

BD: O sal é obtido manualmente. Em um dia ensolarado de março, ao fim da temporada de caranguejos, alguns funcionários subiram num barco comercial e foram para o mar. Nós passamos pela boca da Baía de Yaquina, o alto-mar logo atrás da nossa cervejaria, no Pacífico. Em apenas sete minutos, havia 1.000 galões de água oceânica no barco — 800 no casco e mais 200 em uma banheira gigante que ia a bordo. Quando pegamos toda a água que podíamos, retornamos à cervejaria para o sistema de filtragem. Em três viagens pelo Pacífico, tínhamos mais de 3.000 galões, que fervemos até reduzir o volume a uma solução salina concentrada. Levamos cerca de um dia para ferver a água e uma semana para extrair o sal.

F: Fale do processo de fabricação de cerveja e os desafios que enfrentou.

BD: O maior desafio da Just a Pinch foi mesmo obter o sal para a bebida. Foi um processo trabalhoso desidratar o sal uniformemente, mas queríamos trabalhar por conta própria. Foi preciso um esforço coordenado de toda a equipe para chegar ao produto final, mas valeu a pena.

F: Qual, na sua opinião, é o petisco que mais harmoniza com essa cerveja?

BD: Todas as nossas cervejas incluem dicas de alimentos na embalagem. Os petiscos indicados para Just a Pinch são bolas de melão, caranguejo Dungeness e torta de limão.

F: O sal também é tendência em coquetéis. Pode me dizer como vê o uso do ingrediente no próximo ano?

BD: O sal sempre foi usado para realçar o sabor dos alimentos e pode fazer o mesmo com as bebidas. Por isso, esperamos ainda mais coquetéis salgados no futuro.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).