Apple pode comprar a startup de veículo elétrico Lit Motors

Empresa de San Francisco pode ser a nova aposta da gigante de tecnologia da Califórnia .

Ryan Mac
Compartilhe esta publicação:
C-1, um protótipo de duas rodas que conseguiu uma certa fama ao fazer parte dos veículos expostos em uma convenção de San Francisco.

C-1, um protótipo de duas rodas que conseguiu uma certa fama ao fazer parte dos veículos expostos em uma convenção de San Francisco.

Acessibilidade


A Apple pode até estar planejando comprar a montadora britânica McLaren para trazer à tona seus projetos de construir seu próprio automóvel, mas essa não foi a única companhia com a qual a gigante da tecnologia entrou em contato nos últimos meses.

A Apple tem realizado várias reuniões com a Lit Motors, uma empresa de San Francisco que constrói uma motocicleta elétrica fechada. Segundo fontes próximas, a gigante de tecnologia se reuniu com o CEO da Lit, Daniel Kim, no início deste ano, para discutir uma potencial aquisição. A Apple não quis comentar o assunto, assim como Kim, que também se recusou a se pronunciar.

O interesse na Lit Motors mostra que a Apple segue à procura de inspiração para o seu programa de desenvolvimento de um automóvel, conhecido internamente como Project Titan. No mês passado, o jornal “The New York Times”, que primeiro detalhou o interesse da Apple na Lit, na última quarta-feira (21), informou que dezenas de funcionários deslocados para o projeto haviam sido demitidos.

LEIA MAIS: Hacker promete kit para qualquer carro virar autônomo até o ano que vem

A Apple mantém o foco no desenvolvimento de um carro autônomo para disputar mercado com concorrentes como Uber, Tesla Motors e Alphabet.

A visão da Lit Motors para transporte é diferente dos carros sem motoristas desenvolvidos pelas empresas do Vale do Silício. Fundada em 2010, a companhia é a “filha” de Kim, um formado pela Rhode Island School of Design que queria construir um veículo menor e mais eficiente. Essa ideia resultou no C-1, um protótipo de duas rodas que conseguiu uma certa fama ao fazer parte dos veículos expostos em uma convenção de San Francisco.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apesar da grande visão de Kim, poucos investidores se mostraram dispostos a investir na companhia. Em seis anos, Kim arrecadou menos de US$ 5 milhões – uma quantia pequena no mundo das startups – com capital inicial vindo de amigos e família. Em março de 2014, a companhia acumulou um montante de US$ 1 bilhão, com investimentos de empresários como Mark Pincus, o fundador da desenvolvedora de jogos Zynga, o bilionário coreano Kim Jung-Ju e o surfista profissional Kelly Slater. Meses depois, o CEO da Alphabet também investiu parte de seu dinheiro na Lit, embora a quantia doada não tenha sido divulgada.

LEIA MAIS: Por que a Apple pensa em comprar a McLaren

No verão de 2014, a Lit tinha mais de 30 empregados e empreiteiros e atraía mais de 1.100 veículos em pré-encomenda. Quando FORBES visitou a Lit em 2012, Kim estava confiante que os veículos da companhia seriam vendidos rapidamente. Ele também tinha o objetivo de enviar veículos para clientes ao redor do mundo em 2014.

Dois anos depois, Lit ainda não manufaturou um veículo sequer, mas já aceitava pré-encomendas, de acordo com um post feito em sua página no Facebook. O post rendeu reclamações de clientes, que disseram que estavam esperando para comprar seus veículos. Outros lamentaram o fato da companhia ter parado de fornecer atualizações regulares sobre o que estaria fazendo e se diziam preocupados com a empresa que, como as startups Fisker Automotive e Aptera, poderia desaparecer.

Parte do atraso podia ser atribuído a um acidente de moto sofrido por Kim que o deixou paralisado pela maior parte de 2015. Seguido desse incidente, a companhia foi colocada para “hibernar”, de acordo com uma fonte, com Kim demitindo a maioria dos empregados.

LEIA MAIS: Rival da Uber na Ásia arrecada US$ 750 milhões em investimentos

O status atual da Lit não é nada claro. A companhia saiu de sua antiga sede e postou em suas mídias sociais que está “guardando protótipos em um local muito longe”. A empresa, todavia, diz que está 100% comprometida em trazer o C-1 ao mercado e planeja marcar uma data em que os veículos possam ser produzidos. Atualmente, o site da companhia lista apenas cinco empregados além de Kim.

Apesar dos problemas, a Lit mantém características-chave, incluindo um número de patentes por seu giroscópio, seu veículo que se assemelha a uma moto e sua tecnologia anti-colisão. A Apple pode estar interessada nesta propriedade intelectual em particular. Apesar dos boatos, um acordo com a companhia de Kim não está nem perto de ser fechado.

Parece que a Apple está interessada em uma reinicialização completa de seu programa de veículos e não está procurando ajuda apenas no Vale do Silício. Na última quarta-feira (21), o jornal “The Financial Times” foi o primeiro a noticiar que a gigante da tecnologia estava conversando com a McLaren sobre uma possível aquisição. Outras mídias reportaram que outras possibilidades como um investimento ou uma parceria também estavam sendo discutidas.

Compartilhe esta publicação: