Japan Airlines cria mapa para quem quer evitar crianças em voos

ReproduçãoForbes
Seja a cabine pressurizada ou simplesmente a desconfortável cadeira, a maioria dos bebês chora em algum momento durante um voo

Resumo:

  • A Japan Airlines resolveu fornecer a seus clientes um mapa dos assentos de seus voos mostrando onde bebês estão sentados;
  • A atitude gerou muitas discussões e debates nas mídias sociais.

Informar aos outros passageiros onde as crianças estão sentadas em um voo é uma movimentação inteligente ou um jeito desnecessário de classificar as famílias? Independentemente disso, não parece que outras companhias aéreas vão seguir imediatamente a iniciativa da Japan Airlines de notificar os passageiros dos assentos em que crianças pequenas estão sentadas.

Nada parece irritar mais os passageiros do que uma criança gritando em um voo. E esse pode ser um dos aspectos mais terríveis de viajar em um espaço confinado até que, claro, você tenha um filho. 

Agora que sou pai, tenho grande simpatia pelos que viajam com crianças pequenas, e muitas companhias aéreas vão além de suas obrigações para ajudar essas famílias, oferecendo atividades de  pintura e até comida para bebês, por exemplo. Mesmo assim, seja a cabine pressurizada ou simplesmente a desconfortável cadeira, a maioria dos bebês parece chorar em pelo menos algum momento durante um voo. E sobre isso, nós todos temos duas coisas em comum. Em primeiro lugar, já fomos crianças, de modo que aquele bebê chorando poderia ter sido qualquer um de nós em algum ponto da vida. Em segundo lugar, quase ninguém aprecia o som de uma criança gritando.

A partir disso, há uma companhia aérea que talvez tenha ido longe demais no que se refere ao perfil de passageiros, embora a princípio tenha recebido certos elogios. 

A Japan Airlines tem fornecido aos clientes um mapa de assentos que permite (com um pequeno e sorridente emoji de bebê) ver onde os bebês estão sentados.

LEIA TAMBÉM: 4 razões para levar as crianças para o trabalho

O lançamento foi recebido com uma reação mista e, embora alguns usuários de mídia social tenham incentivado outras companhias aéreas a lançar um recurso semelhante para ajudar os passageiros que não querem ficar perto de crianças, não parece que os concorrentes estejam  seguindo o exemplo. Ross Feinstein disse que isso “não é uma iniciativa que a American Airlines esteja considerando”, enquanto a Delta se recusou a comentar sobre o movimento de seu concorrente.

O usuário do Twitter Rahat Ahmed tuitou uma imagem do ícone que representa a presença de crianças no mapa dos assentos da JAL. Esse movimento nas redes sociais desencadeou um debate sobre a forma como a empresa está lidando com o perfil dos passageiros. Andrew Lim reagiu: “Eu costumava sentir e dizer exatamente o que vocês dizem, mas depois de ter o meu próprio filho, eu sou muito simpático com pais viajando com crianças”. Por outro lado, outro usuário, Paul Anley, afirmou: “Brilhante ideia. Eu sempre reservo hotéis apenas para adultos e sempre disse que é uma pena que os operadores turísticos não ofereçam voos livres de crianças também. Eu ficaria feliz em pagar, mesmo se fosse mais caro”.

Joseph Tawadros, porém, levou o debate um passo adiante ao comentar: “Seria ótimo ter ícones para as pessoas que não são higiênicas também”.

“Passageiros que viajam com crianças entre 8 dias e 2 anos e selecionam seus assentos no site da JAL terão um ícone de criança exibido em seus assentos na tela de seleção.” Esse recurso pode parecer uma boa ideia para a maioria dos passageiros até que você, de fato, tenha de viajar com uma criança. Nesse ponto, pode parecer uma classificação casual na melhor das hipóteses ou discriminatória na pior.

A Japan Airlines não respondeu quando confrontada sobre motivações e feedback dos passageiros.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).